New Orleans: WWOZ FM reúne gravações de grandes shows de música negra americana

|

                              A lendária banda The Meters se reencontrou no New Orleans Jazz Fest, em 2015

A WWOZ FM, rádio pública da cidade americana de New Orleans, vai tentar amenizar a saudade que seus ouvintes têm sentido dos shows ao vivo, desde que a pandemia se instalou. A partir desta quinta-feira (22/4) ela transmite outra edição da Jazz Festing in Place, série de gravações com grandes shows do New Orleans Jazz & Heritage Festival.

Um dos maiores eventos do gênero no mundo, o Jazz Fest (como é chamado pelos moradores de New Orleans) comemorou sua 50.ª edição em 2019. No ano seguinte, os ingressos já estavam à venda, quando o festival foi cancelado por causa do distanciamento social necessário para combater a pandemia.

Como já fez em 2020, a WWOZ FM vai transmitir a série Jazz Festing in Place nos mesmos dias e horários em que o Jazz Fest deste ano deveria ocorrer: de 22 a 25/4 (quinta a domingo) e de 29/4 a 2/5, das 13h às 21h (horário de Brasília).

A programação está recheada de expoentes da cena musical de New Orleans, como os pianistas Allen Toussaint, Henry Butler, Ellis Marsalis e Dr. John, os cantores John Boutté, Leah Chase e Irma Thomas, os trompetistas Terence Blanchard e Kermit Ruffins, além das bandas Galactic, Dirty Dozen Brass Band, Preservation Hall Jazz Band e a lendária The Meters (em show gravado no Jazz Fest de 1970), entre outras.

Também não faltam grandes nomes internacionais do jazz, do blues e da música negra americana, como Stevie Wonder e Ella Fitzgerald (em uma inusitada parceria no festival de 1977), as cantoras Dianne Reeves, Shirley Horn e Mahalia Jackson, o saxofonista Sonny Rollins, o pianista e band leader Duke Ellington e a violinista Regina Carter. Ou até astros da música pop e do rock, como Carole King e Joe Cocker, já que o Jazz Fest costuma oferecer um elenco eclético.

Há também uma atração imperdível para os fãs da música popular brasileira: o show que Milton Nascimento fez no Jazz Fest de 1991 está entre os destaques da série para o próximo domingo. Aliás, como a programação ainda não está totalmente fechada, outras surpresas ainda serão anunciadas nos próximos dias. Para não perder seus shows favoritos, você pode baixar um PDF com os horários dos oito dias de programação, no site da WWOZ, onde também vai encontrar o link para ouvir a série:

https://www.wwoz.org/642501-cubes-jazz-festing-place-2021

Instrumental Brasileiras: série de podcasts exibe os talentos de dez mulheres

|

                                   A instrumentista e compositora carioca Carol Panesi / Foto de Priscila Prade 

Depois de promover uma extensa programação online de aulas abertas e oficinas de música (incluindo modalidades como improvisação, arranjo, voz e até engenharia de áudio), o projeto Instrumental Brasileiras oferece um material bastante educativo para quem ainda pensa que o universo do jazz e da música instrumental brasileira é reservado aos homens.

Uma série de oito podcasts destaca discos e as trajetórias pessoais de talentosas instrumentistas e compositoras brasileiras do gênero. O primeiro episódio focaliza a compositora e vocalista paulista Ana Malta, que lançou “Outra Voz”, seu primeiro disco como solista, em 2019. Ana se formou no renomado Conservatório de Tatuí, onde leciona canto. Também é integrante da orquestra Vintena Brasileira.

Os episódios posteriores seguem o mesmo formato do primeiro. Entre uma faixa e outra de seus discos, as artistas convidadas contam como se envolveram com a música e comentam suas experiências nessa área. As entrevistas são conduzidas por Indiara Belo, idealizadora e curadora do projeto.

O elenco da série também inclui a flautista e clarinetista Aline Gonçalves, a saxofonista e flautista Daniela Spielmann, a flautista e saxofonista Mariana Zwarg, o Duo Gisbranco (formado pelas pianistas Bianca Gismonti e Claudia Castelo Branco), a baterista e percussionista Vera Figueiredo, a violinista e trompetista Carol Panesi e as flautistas e compositoras Léa Freire e Maiara Moraes.

Os oito podcasts da série Instrumental Brasileiras estão disponíveis neste link do Spotify

Violas e violeiros: dois festivais gratuitos para deleitar os fãs da música caipira

|

                               O trio Viola Perfumosa, com Lui Coimbra, Ceumar e Paulo Freire (esq. para dir.)  

Dois festivais quase simultâneos – em transmissões online e gratuitas – vão permitir que os apreciadores da chamada música caipira possam se deliciar com modas de viola, serestas, cantilenas e apresentações de alguns dos maiores expoentes da viola caipira, durante três semanas.

Hoje (5/4), às 21h, estreia o Festival Violas de Bem Querer - Música Caipira de Câmara, que oferece sete concertos. Quem abre a programação é a dupla Lívia Nestrovski (voz) e Fred Ferreira (guitarra), com um recital de serenatas. Amanhã (6/4), no mesmo horário, o violeiro Neymar Dias e o acordeonista Toninho Ferragutti tocam clássicos do gênero, no concerto “Festa Na Roça”.

A série continua com as apresentações do Trio Conversa Ribeira (7/4), do sexteto do acordeonista Thadeu Romano (8/4) e do trio do cantor e pianista Breno Ruiz (9/4). No dia 10/4, o trio Viola Perfumosa – formado por Ceumar (voz e violão), Lui Coimbra (voz e violoncelo) e Paulo Freire (viola caipira) – homenageia a cantora Inezita Barroso. Finalmente, no dia 11/4, às 16h, o mesmo Paulo Freire conta causos para o público infantil, no show “Medo Pequeno”.

Já no dia 9/4 (sexta), às 20h, começa o Violeiros do Brasil, festival gratuito e online, que vai reunir 14 violeiros em sete apresentações. Em todas as noites desse evento, um violeiro de destaque fará seu show, terminando a apresentação em duo com outro violeiro. A direção musical desse projeto é de Myriam Taubkin.

Na noite de estreia, Tavinho Moura terá como convidado Fabrício Conde. Dia 10/4, Passoca recebe Neymar Dias. Já em 11/4, Pereira da Viola fará um duo com Ricardo Vignini. Além dos repertórios musicais dos violeiros, as apresentações também incluem causos sobre as canções e as trajetórias pessoais desses músicos.

Na segunda semana do evento, Adelmo Arcoverde recebe Laís de Assis (em 17/4) e Paulo Freire vai tocar em duo com João Paulo Amaral (18/4). Finalmente, Ivan Vilela terá Bruno Sanches como convidado (24/4) e o mestre Roberto Corrêa vai receber Cacai Nunes (25/4).

“Violeiros do Brasil é um olhar sobre o instrumento. Cada artista convidado possui uma característica importante no cenário da viola brasileira”, explica Myriam Taubkin. “De Nordeste a Sudeste do Brasil, nas regiões onde o instrumento faz parte do cotidiano, os tocadores mostram a diversidade, a força, as tradições e a modernidade da viola dentro da nossa música”.

FESTIVAL VIOLAS DE BEM QUERER: sempre às 21h (exceto em 11/4, às 16h), no canal Rubra Rosa Cultural do YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCXow7nLC5exQyjIFLSKxZ8g

VIOLEIROS DO BRASIL FESTIVAL ONLINE: sempre às 20h, neste link:
https://www.youtube.com/taubkinmy


Improfest: evento online traz 26 lives com muita música experimental e improvisação

|

                                                                                         O percussionista João Parahyba
                                        
Começa hoje (22/3), às 20h, o Improfest (Festival Internacional de Improvisação e Arte Sonora). Depois de exibir atrações em salas de concerto, em transmissões de rádio ou performances em espaços alternativos, esse festival criado em 2007 assume o formato online, o mais seguro em tempos de pandemia.

A live de abertura destaca as participações do poeta e multiartista Ricardo Aleixo, do músico Marco Scarassatti e dos cineastas Ewerton Belico e Luiz Pretti. Durante 26 dias seguidos de programação vão se apresentar pioneiros da música experimental no Brasil, como Livio Tragtenberg, Silvia Ocugne e Panda Gianfratti, além de jovens talentos dessa cena, como Patricia Bizzotto, Nanati Franchischini e Mariana Carvalho.

No concerto de encerramento, em 16/4, o mestre da percussão João Parahyba se encontra com os instrumentistas Danilo Tomic (flauta de bambu) e Paulo Hartmann (guitarra preparada). Acompanhe as lives neste link: improfe.stream

eFestival: concurso festeja 20 anos revelando talentos do instrumental e da canção brasileira

|

                                                                                  A banda instrumental paulista Silibrina  

 Uma dica especial para instrumentistas e cantores ou mesmo estudantes de música de todo o território brasileiro: já estão abertas as inscrições para mais uma edição do eFestival. Pioneiro na utilização da internet, esse concurso musical vem desempenhando há duas décadas a necessária missão de revelar e apoiar talentos da música brasileira.

Assim como o cantor paulista Lula Barbosa ou o duo vocal mineiro Renato Motha e Patrícia Lobato, jovens instrumentistas de diversos estados do país, como o contrabaixista gaúcho Guto Wirtti, a violinista carioca Carol Panesi, o trompetista paulista Sidmar Vieira ou a banda Silibrina (liderada pelo tecladista pernambucano Gabriel Nóbrega) já brilharam como finalistas do eFestival.

Como em edições anteriores, a seleção dos finalistas será realizada por uma equipe de curadoria musical. Já os vencedores do concurso serão definidos por meio de votação popular. As inscrições podem ser feitas até 30 de junho, no site oficial do evento: www.efestival.com.br, onde os candidatos encontram informações detalhadas sobre o concurso, como o regulamento e um tutorial passo-a-passo para fazer sua inscrição.

Uma novidade desta edição é que o concurso será dividido em duas categorias musicais: Instrumental e Canção. Depois de escolher uma delas, os candidatos devem optar por uma entre três subcategorias: Público Geral, Profissionais da Saúde ou Corretores de Seguros.

A comissão curatorial vai escolher 10 finalistas em cada subcategoria – a lista será divulgada em 29 de julho. Durante o mês de agosto se dará a votação popular. Além de receber prêmios em dinheiro, os vencedores ganharão também o direito de dividir palcos com artistas de destaque na cena musical brasileira – obviamente, quando já não houver mais restrições à realização de shows.

Idealizado e produzido pela Dançar Marketing, o eFestival conta com patrocinadores e apoiadores como as empresas SulAmérica, Uninassau e Chilli Beans, além de parceria com o Ministério do Turismo, através da Secretaria Especial da Cultura, e do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa.

Pela primeira vez, vou ter o prazer de dividir a curadoria musical desse evento com o maestro, pianista e arranjador Ruriá Duprat – músico que admiro há décadas e que já exerceu essa função em edições anteriores do eFestival.

Neste ano em que a pandemia nos força mais uma vez a proteger nossa saúde e a de nossos familiares por meio do distanciamento social, o eFestival oferece aos músicos de talento a oportunidade de exibir suas composições e performances a um público mais amplo. E, graças à internet, de maneira segura.

Mais informações no site oficial do eFestival

Criasom: evento sobre economia criativa da música prossegue com conversas e shows

|

 

                                                       O trio do guitarrista Igor Prado, no Bourbon Street Music Club  

Gratuito e transmitido online pelo YouTube, o evento Criasom dá sequência, nesta semana, à sua extensa programação de conversas a respeito da economia criativa, com foco no segmento da música ao vivo.

Hoje (8/3), às 20h, o entrevistado é Edgard Radesca, proprietário e diretor do Bourbon Street Music Club, o maior clube de jazz e música negra do país. Em conversa com o jornalista Eugênio Martins Jr. (criador e produtor do evento), Radesca vai abordar temas como a gestão de um clube de música, realização de festivais e turnês de shows.

O evento prossegue nesta terça (9/3), no mesmo horário, com o empresário e produtor artístico Cajaíba Jr., que vai narrar suas experiências nas áreas da gestão de carreiras musicais e produção executiva de shows. O tema da gestão de carreira também será discutido por dois craques da cena do blues no país: o guitarrista Igor Prado (na quarta, 10/3) e o gaitista Flávio Guimarães (na quinta, 11/3). Prado também vai tocar com sua banda Just Groove, em uma live, na sexta (12/3).

Já no dia 16/3 (terça), vou conversar com Eugênio Martins Jr. sobre o jornalismo cultural em nosso país, além de outros temas relacionados, como a cobertura de festivais de jazz e blues no Brasil e no exterior.

A programação completa do Criasom você encontra no blog do Eugênio: o Mannish Blog.

E para acompanhar as entrevistas e lives do evento, clique neste link:
https://www.youtube.com/user/eugeniomjrgmail/aboute



Discos em 2020: mais 30 álbuns recomendados de música instrumental brasileira

|

O distanciamento social imposto pela pandemia não impediu que os instrumentistas brasileiros continuassem a produzir, mesmo obrigados a se afastarem dos palcos, com o fechamento dos clubes, bares, casas noturnas e teatros. Dezenas e dezenas de álbuns desse gênero foram gravados e lançados durante 2020, provando mais uma vez que nossa música instrumental vive uma fase de muita diversidade e refinamento sonoro.

Para quem não chegou a ler uma seleção de discos e outros projetos de essência instrumental que elaborei a convite do Sesc Pinheiros, em agosto de 2020, recomendo uma conferida no link ao final deste post. Todos os discos listados e comentados naquele texto também mereceriam figurar nesta lista – em outras palavras, as duas listas se completam.

Espero que estas sugestões ajudem você a conhecer novos músicos e a ampliar o repertório que vai frequentar suas audições musicais durante os ainda incertos meses que nos aguardam, enquanto a vacina não estiver disponível a todos. Para mim, uma das melhores atividades que podemos desfrutar durante um período de distanciamento social é ouvir música que desperte nossa sensibilidade. Aproveite!

Ana de Oliveira - “Dragão dos Olhos Amarelos” (Tratore). Radicada no Rio, a violinista paulistana já brilhou como solista em várias orquestras. Neste inusitado álbum de violino solo, ela demonstra inventividade e coragem, ao criar composições instantâneas inspiradas por memórias e vivências. Na lírica “Posso Chorar” (que Hermeto Pascoal dedicou a ela, nos anos 1980), Ana tem a seu lado o pianista André Mehmari.

André Juarez - “Azul” (Pôr do Som). “Choro Azul”, a faixa de abertura, já surpreende o ouvinte: a atmosfera relax de blues se transforma em um choro jazzístico, com citações da clássica “Rhapsody in Blue” (de Gershwin). Entre diversos encontros da música brasileira com o blues e o jazz, comandados pelo vibrafonista paulista, a versão de “Lamento Sertanejo” (de Dominguinhos e Gilberto Gil) soa especialmente inspirada.

Antonio Carlos Bigonha - “Saudades de Amanhã” (Tratore). Mineiro radicado em Brasília, o pianista e compositor é um discípulo assumido de Tom Jobim. Em seu quarto álbum, ele volta a contar com arranjos e o violão do mestre Dori Caymmi, além de dois craques do instrumental brasileiro: o baixista Jorge Helder e o baterista Jurim Moreira. Bigonha ainda se deu ao luxo de requisitar a Orquestra de Cordas de São Petersburgo.

Arismar do Espírito Santo - “Cataia: da Folha ao Chá” (Gramofone). Os fãs desse músico de muitos talentos sabem que o baixo elétrico tem lugar de destaque entre os diversos instrumentos dominados por ele. Por isso o que logo chama atenção, nestas gravações com os paranaenses Glauco Soler (baixo) e Mauro Martins (bateria), é o fato de o paulista Arismar se concentrar no piano e no violão, além dos descontraídos vocais.



Arthur Dutra & Jeff Gardner (Tratore). O percussionista carioca e o pianista nova-iorquino radicado no Rio celebram neste album a feliz parceria que desenvolvem há alguns anos. No repertório, composições próprias como a caribenha “Merengueto”, a balada “Olhos de Arco-Iris” ou a jazzística “Africa Beat”. Participações especiais do saxofonista Marcelo Martins e dos cantores Sergio Santos e Ilessi, entre outros.

Benjamim Taubkin e Adriano Adewale - “Alfabeto” (Núcleo Contemporâneo). Após o álbum que gravaram juntos no clube londrino Vortex, em 2013, o pianista e o percussionista, ambos paulistas, lançam registros extraídos da turnê que fizeram por dez cidades inglesas, no mesmo ano. As sete faixas foram compostas nos palcos, de modo espontâneo. Segundo Taubkin, a ideia é evitar o já conhecido, o lugar comum.

Daniel Murray - “Sombranágua: Septeto Autoral” (Totem Musicais). O septeto liderado pelo violonista carioca – com Luiz Amato (violino), Adriana Holtz (violoncelo), Sarah Hornsby (flauta), Gustavo Barbosa-Lima (clarinete), Pedro Gadellha (contrabaixo) e Caito Marcondes (percussão) – lembra um erudito conjunto de câmara, mas o que se ouve é um repertório autoral da melhor tradição de nossa música instrumental.

Daniel Pezim - “De Prima” (independente). Mineiro radicado em São Paulo, o contrabaixista e compositor formou um quarteto de feras da cena instrumental (com o guitarrista Djalma Lima, o saxofonista Vitor Alcântara e o baterista Cuca Teixeira), para a gravação de seu primeiro disco. Além de um jazzístico samba dedicado ao saudoso saxofonista Vinicius Dorin, Pezim exibe outras sete composições próprias.



Edson Natale - “Âmbar: Os Afluentes da Música” (Spin). Músicos de nosso primeiro time, como o clarinetista Nailor Proveta e o acordeonista Toninho Ferragutti, brilham no eclético elenco reunido pelo violonista e compositor paulista. Inspiradora, a música instrumental de Natale também recorre a palavras e vozes, como as de Ná Ozzetti e Vanessa Moreno, para abordar as contradições e angústias destes tempos difíceis.

Dom Angelo - “Mongiovi Trio” (Boa Vista). De essência jazzística, este álbum do guitarrista e produtor pernambucano é o terceiro desse gênero lançado por ele. Ao lado de Miguel Mendes (baixo elétrico) e Rostan Junior (bateria), Angelo mostra composições próprias, além de uma releitura instrumental da canção “Copo Vazio” (de Gilberto Gil). Participações do pianista Amaro Freitas e do cantautor Marcello Rangel.

Emiliano Castro - “7 Caminos” (Selo Sesc). Os cinco anos que o violonista paulistano passou na Espanha, estudando flamenco, também abriram seus ouvidos para a riqueza da música latino-americana com ritmos de matrizes africanas. Neste álbum autoral, tocando violão de sete cordas, ele exibe composições influenciadas pela linguagem do flamenco, além de uma releitura da canção “Atrás da Porta” (Chico Buarque).

Ghadyego Carraro - “Tribute” (independente). Gaúcho de Passo Fundo, o contrabaixista homenageia ídolos e mestres que o influenciaram, como Tom Jobim (“Wave”), Milton Nascimento (“Vera Cruz”) e Astor Piazzolla (“Oblivion”). Para as gravações contou com convidados de diversas regiões do país, como o baterista potiguar Di Stéffano, o gaitista paulista José Staneck e o violonista Alegre Corrêa, seu conterrâneo.



Gian Correa - “Gian Correa Big Band” (YB). Ao dizer que seu terceiro disco foi “100% composto de coração e de alma”, o violonista paulista não está dourando a pílula. Quem já o ouviu tocar choros em formações menores pode se deliciar agora com seu violão de sete cordas à frente de uma suingada big band. O frevo “Trançando as Pernas” e o samba “O Tema Tá Chegando” (com o acordeom de Mestrinho) soam irresistíveis.

Hamleto Stamato - “Autoral” (Tratore). Bem-acompanhado por craques da cena instrumental do Rio, como Marcelo Martins (sax tenor), Jessé Sadoc (trompete) e Vittor Santos (trombone), o pianista exibe um repertório autoral. Quem associa Stamato ao samba-jazz, pode se se surpreender com suas incursões por ritmos caribenhos ou com a lírica “Bodas”, uma bossa cujo arranjo inclui as cordas da St. Petersburg Studio Orchestra.

Louise Woolley - “Rascunhos” (Blaxtream). A pianista paulistana compôs os oito temas instrumentais deste álbum durante uma temporada na Europa, por encomenda do evento mineiro Savassi Festival. Os músicos que participam das gravações são talentosos como ela: Lívia Nestrovski (vocais), Jota P (sax tenor), Diego Garbin (trompete e flugel), Danilo Silva (violão), Bruno Migotto (contrabaixo) e Daniel de Paula (bateria).

Ludere - “Baden Inédito” (Tratore). Em seu quarto álbum, o brilhante quarteto – Phillippe Baden Powell (violão), Rubinho Antunes (trompete), Bruno Barbosa (baixo) e Daniel de Paula (bateria) – abriu o baú do grande Baden Powell (1937-2000). Além de sete temas inéditos, o repertório traz as canções “Vai Coração” (parceria com Pretinho da Serrinha) e “A Lua Não Me Deixa” (com Eduardo Brechó), nas vozes de Vanessa Moreno e Fabiana Cozza.



Marcio Hallack - “Desse Modo” (Kuarup). O pianista e compositor mineiro faz várias homenagens neste belo álbum, à frente de seu trio, que também destaca os excelentes Esdras “Neném” Ferreira (bateria) e Enéas Xavier (baixo). De um choro dedicado ao mestre Guinga (“Chorin”) a uma valsa-jazz composta em tributo ao grande maestro pernambucano Moacir Santos, Hallack reafirma seu privilegiado dom musical.

Mauro Senise - “Ilusão à Toa” (Biscoito Fino). Depois de dedicar discos a grandes expoentes da MPB, como Gilberto Gil, Dolores Duran e Edu Lobo, o experiente saxofonista carioca aborda a sofisticada obra de Johnny Alf – compositor e precursor da bossa nova. Ao reler 12 canções (preciosidades como “O Que É Amar”, “Olhos Negros” ou “Céu e Mar”), Senise valoriza-as ainda mais, utilizando diversas formações instrumentais.

Michel Pipoquinha e Pedro Martins - “Cumplicidade” (Tratore). Jovens revelações da música instrumental, o baixista cearense e o guitarrista brasiliense se conheceram na véspera do festejado show que fizeram em 2017, no Festival Choro Jazz, em Jericoacora (CE). Além de temas autorais, eles recriam composições de Hermeto Pascoal (“Azeitona”), Cartola (“Desfigurado”) e Toninho Horta (“Raul”), que também toca no álbum.

Orquestra do Estado de Mato Grosso - “Flores, Janelas e Quintais: Homenagem a Milton Nascimento” (Kuarup). Com regência do maestro Leandro Carvalho e arranjos do solista Vittor Santos (trombone), a orquestra mato-grossense revisita o cancioneiro do mestre do Clube da Esquina. No repertório, clássicos como “Cravo e Canela”, “Nos Bailes da Vida”, “Encontros e Despedidas”, “Canção da América” e “Ponta de Areia”.



Ozorio Trio - “Big Town” (Brasil Calling). Influências do blues rural, do folk e da nossa música caipira se misturam neste álbum, que nasceu com a mudança do violonista paulistano Marcelo Ozorio para um viveiro de plantas, no Paraná. Com participações do Quadril Quarteto de Cordas, as composições de Ozorio são entremeadas por divertidas vinhetas, como “Eguinha Quarto de Milha”, “Locomotiva” e “Phil, the Groove”.

Projeto B - “Live in Seattle” (independente). Em concerto registrado durante turnê pelos EUA, em 2012, o quinteto paulista mistura música erudita contemporânea com elementos da música instrumental brasileira e do jazz de vanguarda. No repertório, “A Sagração da Primavera” (de Igor Stravinky), “Choros nº 5” e “Prole do Bebê” (de Heitor Villa-Lobos), além de composições próprias, como “Labirinto” e “Tapete Mágico”.

Rafael Martini - “Vórtice” (Estúdio 304). O compositor e multi-instrumentista mineiro registrou, nestas gravações de 2016, seu trio com Pedro Santana (baixo) e Yuri Vellasco (bateria). A ideia é resgatar a ligação com o rock, que marcou sua formação inicial. Os criativos arranjos de “Rain Song” (da banda Led Zeppelin) e “Meditação” (Tom Jobim) ilustram bem o projeto, calcado em sons acústicos e sintetizados.

Rodrigo Bragança e Benjamim Taubkin - “Sobrevoo” (Núcleo Contemporâneo). O guitarrista mineiro radicado em São Paulo e o pianista paulistano demonstram grande afinidade musical, neste álbum com repertório autoral e assumidas influências jazzísticas. “Um disco para se escutar com calma”, sugere Taubkin, que homenageia em uma composição o pianista Lyle Mays (1953-2020). Paisagens musicais para ouvidos sensíveis. 

Rodrigo Nassif Trio - “Estrada Nova” (independente). Outro gaúcho de Passo Fundo radicado em Porto Alegre, o violonista e compositor comanda seu coeso trio, que também destaca Samuel Basso (baixo) e Leandro Schirmer (bateria), além de contar com vários convidados. Composições como “Brincando na Tempestade”, “Cheiro de Pão” e “Inverno no Cassino” trazem atmosferas particulares, como se fizessem parte de trilhas sonoras.

SaxBrasil - “10 Anos” (independente). O quarteto de saxofones da cidade de Sorocaba (SP) festeja sua primeira década de atividade, dedicada ao repertório brasileiro de música de câmara para essa formação. Além de interpretar quatro peças compostas especialmente para o grupo, relembra dois clássicos do repertório nacional para o saxofone: “Pau-Brasil” (de Liduíno Pitombeira) e “Mobile” (de Ronaldo Miranda).

Sidmar e Sidiel Vieira - “2Vieira - vol. 1” (independente). Talentosos irmãos que atuam na cena instrumental paulista, o baixista e o trompetista recriam em duo clássicos da música cristã, como “Minha Pequena Luz” (This Little Light of Me), que ouviam na casa dos pais. Recheados de influências do gospel e do jazz, os saborosos arranjos também são da dupla. (À venda só nos perfis de Sidmar e Sidiel no Facebook e no Instagram).

Sinfônica de Santo André + Hamilton de Holanda (Selo Sesc). Concerto gravado no Sesc Santo André (SP), em novembro de 2019, que marcou a estreia do “Concerto Brasileiro para Bandolim e Orquestra”, do bandolinista e compositor. O repertório mistura música clássica e popular, com destaque para a “Suíte Retratos” (de Radamés Gnattali), e a releitura da canção “Canto de Ossanha” (Baden Powell e Vinícius de Moraes).  



Túlio Mourão - “Barraco Barroco” (Jazz Mineiro). Neste álbum que festeja seus 50 anos de carreira, o compositor e pianista recebe três expoentes da cena instrumental de Minas: Chico Amaral (sax tenor), Juarez Moreira (violão) e Toninho Horta (guitarra). No repertório, Túlio exibe lindas baladas de sua autoria, como “Jardim do Afeto” e “A Última Montanha”, além de três temas que revelam sua admiração pela música ibérica.

Vitor Arantes Quarteto - “Elo” (Umbilical). Vencedor do concurso Novos Talentos do Jazz, no Savassi Festival 2017 (MG), o pianista paulistano estreia em disco, ao lado de Matheus Mota (guitarra), Gabriel Borin (contrabaixo) e Jonatan Goes (bateria), com participação especial de Josué dos Santos (sax tenor). Além de três extensas faixas assinadas pelo líder, o álbum inclui uma releitura de “Bebê” (de Hermeto Pascoal).

Você encontra outros discos de música instrumental brasileira lançados em 2020, que eu também recomendo, neste link:

Música na pandemia: projetos instrumentais em tempos de isolamento


 

©2009 Música de Alma Negra | Template Blue by TNB