Jazzmin's Big Band: o disco de estreia da pioneira orquestra feminina de SP

|

                                                    A Jazzmin's Big Band, em show no Sesc Consolação, em São Paulo 

Se você acompanha a cena do jazz e da música instrumental em nosso país, na certa já viu e ouviu algumas delas, tocando em outras formações. Agora as 17 instrumentistas da Jazzmin’s – a primeira big band formada só por mulheres no Brasil – lançam seu primeiro disco, em show online.

Com direção artística da saxofonista Paula Valente e da pianista Lis de Carvalho, o CD “Quando Eu Te Vejo” (produção independente) inclui arranjos de composições de Tom Jobim, Dorival Caymmi, Rodrigo Morte e do baterista Nenê, além de duas faixas assinadas pela baixista da banda, Gê Cortes.

O show online será neste sábado (22/5), às 16h30, neste canal do You Tube: Casa Museu Ema Klabin. Já na próxima quinta-feira (dia 27/5), às 17h, Lis de Carvalho e Paula Valente vão participar de um debate sobre o tema “Mulheres e Big Bands: presença, visibilidade e estereótipos”. O evento será veiculado pela plataforma zoom e para participar é preciso se inscrever no site da Casa Museu: https://emaklabin.org.br

Se você ainda não teve a oportunidade de ouvir a Jazzmin’s, nas apresentações que ela vem fazendo já há alguns anos, não perca o show do sábado. Essa big band está repleta de craques.

Sabor & Som: festival combina atrações musicais e eventos gastronômicos

|

                                                                A cantora Sandra Fidalgo e o acordeonista Toninho Ferragutti

Foi durante os primeiros meses do isolamento social imposto pela pandemia que a produtora Gisella Gonçalves criou um projeto original. Unindo música e comida, o Festival Sabor & Som combina eventos gastronômicos e espetáculos musicais de hoje (23/4) a domingo (25/4). Todos eles serão transmitidos pelo canal da Borandá Produções, no YouTube.

“Cozinhar e ouvir música se mostraram, provavelmente, as atividades mais relevantes na vida cotidiana de todos nós ao longo de todo esse tempo, unindo e nutrindo o espírito humano nesse já longo período em que, por força das circunstâncias, nos vimos obrigados a viver (e conviver) em nossa própria casa”, argumenta a produtora cultural.

Nos três dias de programação, as atividades começam numa cozinha (às 15h) e terminam num estúdio de gravação (a partir das 19h). As chefs Fabiana Badra, Cintia Sanchez e Elenice Altman vão executar, passo a passo, três cardápios completos. Já a programação musical oferece três atrações: a dupla Patrícia Bastos (voz) e Dante Ozzetti (violão), o violonista e cantor Sérgio Santos e a dupla Sandra Fidalgo (voz) e Toninho Ferragutti (acordeom).

Mais informações no site do evento: www.festivalsaboresom.com.br

New Orleans: WWOZ FM reúne gravações de grandes shows de música negra

|

                              A lendária banda The Meters se reencontrou no New Orleans Jazz Fest, em 2015

A WWOZ FM, rádio pública da cidade americana de New Orleans, vai tentar amenizar a saudade que seus ouvintes têm sentido dos shows ao vivo, desde que a pandemia se instalou. A partir desta quinta-feira (22/4) ela transmite outra edição da Jazz Festing in Place, série de gravações com grandes shows do New Orleans Jazz & Heritage Festival.

Um dos maiores eventos do gênero no mundo, o Jazz Fest (como é chamado pelos moradores de New Orleans) comemorou sua 50.ª edição em 2019. No ano seguinte, os ingressos já estavam à venda, quando o festival foi cancelado por causa do distanciamento social necessário para combater a pandemia.

Como já fez em 2020, a WWOZ FM vai transmitir a série Jazz Festing in Place nos mesmos dias e horários em que o Jazz Fest deste ano deveria ocorrer: de 22 a 25/4 (quinta a domingo) e de 29/4 a 2/5, das 13h às 21h (horário de Brasília).

A programação está recheada de expoentes da cena musical de New Orleans, como os pianistas Allen Toussaint, Henry Butler, Ellis Marsalis e Dr. John, os cantores John Boutté, Leah Chase e Irma Thomas, os trompetistas Terence Blanchard e Kermit Ruffins, além das bandas Galactic, Dirty Dozen Brass Band, Preservation Hall Jazz Band e a lendária The Meters (em show gravado no Jazz Fest de 1970), entre outras.

Também não faltam grandes nomes internacionais do jazz, do blues e da música negra americana, como Stevie Wonder e Ella Fitzgerald (em uma inusitada parceria no festival de 1977), as cantoras Dianne Reeves, Shirley Horn e Mahalia Jackson, o trompetista Miles Davis, o baixista Charlie Mingus, o saxofonista Sonny Rollins, o pianista e band leader Duke Ellington e a violinista Regina Carter. Ou até astros da música pop e do rock, como James Taylor, Carole King e Joe Cocker, já que o Jazz Fest costuma oferecer um elenco eclético.

Há também uma atração imperdível para os fãs da música popular brasileira: o show que Milton Nascimento fez no Jazz Fest de 1991 está entre os destaques da série para o próximo domingo. Aliás, como a programação ainda não está totalmente fechada, outras surpresas ainda serão anunciadas nos próximos dias. Para não perder seus shows favoritos, você pode baixar um PDF com os horários dos oito dias de programação, no site da WWOZ, onde também vai encontrar o link para ouvir a série:

https://www.wwoz.org/642501-cubes-jazz-festing-place-2021

Instrumental Brasileiras: série de podcasts exibe os talentos de dez mulheres

|

                                   A instrumentista e compositora carioca Carol Panesi / Foto de Priscila Prade 

Depois de promover uma extensa programação online de aulas abertas e oficinas de música (incluindo modalidades como improvisação, arranjo, voz e até engenharia de áudio), o projeto Instrumental Brasileiras oferece um material bastante educativo para quem ainda pensa que o universo do jazz e da música instrumental brasileira é reservado aos homens.

Uma série de oito podcasts destaca discos e as trajetórias pessoais de talentosas instrumentistas e compositoras brasileiras do gênero. O primeiro episódio focaliza a compositora e vocalista paulista Ana Malta, que lançou “Outra Voz”, seu primeiro disco como solista, em 2019. Ana se formou no renomado Conservatório de Tatuí, onde leciona canto. Também é integrante da orquestra Vintena Brasileira.

Os episódios posteriores seguem o mesmo formato do primeiro. Entre uma faixa e outra de seus discos, as artistas convidadas contam como se envolveram com a música e comentam suas experiências nessa área. As entrevistas são conduzidas por Indiara Belo, idealizadora e curadora do projeto.

O elenco da série também inclui a flautista e clarinetista Aline Gonçalves, a saxofonista e flautista Daniela Spielmann, a flautista e saxofonista Mariana Zwarg, o Duo Gisbranco (formado pelas pianistas Bianca Gismonti e Claudia Castelo Branco), a baterista e percussionista Vera Figueiredo, a violinista e trompetista Carol Panesi e as flautistas e compositoras Léa Freire e Maiara Moraes.

Os oito podcasts da série Instrumental Brasileiras estão disponíveis neste link do Spotify

Violas e violeiros: dois festivais gratuitos para deleitar os fãs da música caipira

|

                               O trio Viola Perfumosa, com Lui Coimbra, Ceumar e Paulo Freire (esq. para dir.)  

Dois festivais quase simultâneos – em transmissões online e gratuitas – vão permitir que os apreciadores da chamada música caipira possam se deliciar com modas de viola, serestas, cantilenas e apresentações de alguns dos maiores expoentes da viola caipira, durante três semanas.

Hoje (5/4), às 21h, estreia o Festival Violas de Bem Querer - Música Caipira de Câmara, que oferece sete concertos. Quem abre a programação é a dupla Lívia Nestrovski (voz) e Fred Ferreira (guitarra), com um recital de serenatas. Amanhã (6/4), no mesmo horário, o violeiro Neymar Dias e o acordeonista Toninho Ferragutti tocam clássicos do gênero, no concerto “Festa Na Roça”.

A série continua com as apresentações do Trio Conversa Ribeira (7/4), do sexteto do acordeonista Thadeu Romano (8/4) e do trio do cantor e pianista Breno Ruiz (9/4). No dia 10/4, o trio Viola Perfumosa – formado por Ceumar (voz e violão), Lui Coimbra (voz e violoncelo) e Paulo Freire (viola caipira) – homenageia a cantora Inezita Barroso. Finalmente, no dia 11/4, às 16h, o mesmo Paulo Freire conta causos para o público infantil, no show “Medo Pequeno”.

Já no dia 9/4 (sexta), às 20h, começa o Violeiros do Brasil, festival gratuito e online, que vai reunir 14 violeiros em sete apresentações. Em todas as noites desse evento, um violeiro de destaque fará seu show, terminando a apresentação em duo com outro violeiro. A direção musical desse projeto é de Myriam Taubkin.

Na noite de estreia, Tavinho Moura terá como convidado Fabrício Conde. Dia 10/4, Passoca recebe Neymar Dias. Já em 11/4, Pereira da Viola fará um duo com Ricardo Vignini. Além dos repertórios musicais dos violeiros, as apresentações também incluem causos sobre as canções e as trajetórias pessoais desses músicos.

Na segunda semana do evento, Adelmo Arcoverde recebe Laís de Assis (em 17/4) e Paulo Freire vai tocar em duo com João Paulo Amaral (18/4). Finalmente, Ivan Vilela terá Bruno Sanches como convidado (24/4) e o mestre Roberto Corrêa vai receber Cacai Nunes (25/4).

“Violeiros do Brasil é um olhar sobre o instrumento. Cada artista convidado possui uma característica importante no cenário da viola brasileira”, explica Myriam Taubkin. “De Nordeste a Sudeste do Brasil, nas regiões onde o instrumento faz parte do cotidiano, os tocadores mostram a diversidade, a força, as tradições e a modernidade da viola dentro da nossa música”.

FESTIVAL VIOLAS DE BEM QUERER: sempre às 21h (exceto em 11/4, às 16h), no canal Rubra Rosa Cultural do YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCXow7nLC5exQyjIFLSKxZ8g

VIOLEIROS DO BRASIL FESTIVAL ONLINE: sempre às 20h, neste link:
https://www.youtube.com/taubkinmy


Improfest: evento online traz 26 lives com muita música experimental e improvisação

|

                                                                                         O percussionista João Parahyba
                                        
Começa hoje (22/3), às 20h, o Improfest (Festival Internacional de Improvisação e Arte Sonora). Depois de exibir atrações em salas de concerto, em transmissões de rádio ou performances em espaços alternativos, esse festival criado em 2007 assume o formato online, o mais seguro em tempos de pandemia.

A live de abertura destaca as participações do poeta e multiartista Ricardo Aleixo, do músico Marco Scarassatti e dos cineastas Ewerton Belico e Luiz Pretti. Durante 26 dias seguidos de programação vão se apresentar pioneiros da música experimental no Brasil, como Livio Tragtenberg, Silvia Ocugne e Panda Gianfratti, além de jovens talentos dessa cena, como Patricia Bizzotto, Nanati Franchischini e Mariana Carvalho.

No concerto de encerramento, em 16/4, o mestre da percussão João Parahyba se encontra com os instrumentistas Danilo Tomic (flauta de bambu) e Paulo Hartmann (guitarra preparada). Acompanhe as lives neste link: improfe.stream

eFestival: concurso festeja 20 anos revelando talentos do instrumental e da canção brasileira

|

                                                                                  A banda instrumental paulista Silibrina  

 Uma dica especial para instrumentistas e cantores ou mesmo estudantes de música de todo o território brasileiro: já estão abertas as inscrições para mais uma edição do eFestival. Pioneiro na utilização da internet, esse concurso musical vem desempenhando há duas décadas a necessária missão de revelar e apoiar talentos da música brasileira.

Assim como o cantor paulista Lula Barbosa ou o duo vocal mineiro Renato Motha e Patrícia Lobato, jovens instrumentistas de diversos estados do país, como o contrabaixista gaúcho Guto Wirtti, a violinista carioca Carol Panesi, o trompetista paulista Sidmar Vieira ou a banda Silibrina (liderada pelo tecladista pernambucano Gabriel Nóbrega) já brilharam como finalistas do eFestival.

Como em edições anteriores, a seleção dos finalistas será realizada por uma equipe de curadoria musical. Já os vencedores do concurso serão definidos por meio de votação popular. As inscrições podem ser feitas até 30 de junho, no site oficial do evento: www.efestival.com.br, onde os candidatos encontram informações detalhadas sobre o concurso, como o regulamento e um tutorial passo-a-passo para fazer sua inscrição.

Uma novidade desta edição é que o concurso será dividido em duas categorias musicais: Instrumental e Canção. Depois de escolher uma delas, os candidatos devem optar por uma entre três subcategorias: Público Geral, Profissionais da Saúde ou Corretores de Seguros.

A comissão curatorial vai escolher 10 finalistas em cada subcategoria – a lista será divulgada em 29 de julho. Durante o mês de agosto se dará a votação popular. Além de receber prêmios em dinheiro, os vencedores ganharão também o direito de dividir palcos com artistas de destaque na cena musical brasileira – obviamente, quando já não houver mais restrições à realização de shows.

Idealizado e produzido pela Dançar Marketing, o eFestival conta com patrocinadores e apoiadores como as empresas SulAmérica, Uninassau e Chilli Beans, além de parceria com o Ministério do Turismo, através da Secretaria Especial da Cultura, e do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa.

Pela primeira vez, vou ter o prazer de dividir a curadoria musical desse evento com o maestro, pianista e arranjador Ruriá Duprat – músico que admiro há décadas e que já exerceu essa função em edições anteriores do eFestival.

Neste ano em que a pandemia nos força mais uma vez a proteger nossa saúde e a de nossos familiares por meio do distanciamento social, o eFestival oferece aos músicos de talento a oportunidade de exibir suas composições e performances a um público mais amplo. E, graças à internet, de maneira segura.

Mais informações no site oficial do eFestival

 

©2009 Música de Alma Negra | Template Blue by TNB