4.º POA Jazz: festival gaúcho se consolida como evento de padrão internacional

|

                                                 Gilson Peranzzetta, Zeca Assumpção e João Cortez, no POA Jazz

Em meio à crise econômica que tem devastado a produção cultural brasileira e, na área musical, já provocou o cancelamento de vários eventos similares pelo país, o POA Jazz Festival merece muitos aplausos. Não só pelo fato de ter conseguido realizar sua quarta edição, com atrações musicais de alta qualidade, mas também pelo requinte de sua produção -- da curadoria ao cuidadoso trabalho da equipe técnica, que resultou em um evento de padrão internacional. Isso já estava evidente na primeira noite do festival (9/11), que contou com a impactante apresentação do saxofonista Rudresh Mahanthappa, além dos shows do trio vocal argentino Bourbon Sweethearts e do quarteto gaúcho Marmota Jazz. 

Dois trios comandados por veteranos instrumentistas brasileiros se destacaram no programa de encerramento (domingo, 11/11), em Porto Alegre. O pianista e compositor carioca Gilson Peranzzetta, muito bem acompanhado por Zeca Assumpção (baixo acústico) e João Cortez (bateria), fechou a noite tocando grande parte do repertório jazzístico de seu recente álbum “Tributo a Oscar Peterson” (selo Fina Flor), recheado de composições de Cole Porter e Leonard Bernstein. Também relembrou sua belíssima composição “Obsession” (parceria com Dori Caymmi). E provocou sorrisos ao colorir o standard “It’s All Right With Me” (Porter) com ritmo de baião.

Quem esperaria que o cultuado gaitista e compositor carioca Maurício Einhorn (hoje com 86 anos) pudesse fazer uma apresentação tão divertida? Tanto que o guitarrista Nelson Faria, seu parceiro, chegou a sugerir, rindo, que se tratava de um show de “stand-up”. Além de contar causos engraçados, Einhorn (na foto acima) também destilou seu humor fazendo inusitadas citações durante os solos -- como ao introduzir trechos do “Hino Nacional Brasileiro” e do “Bolero” (de Ravel) no improviso da clássica bossa “Samba de Uma Nota Só” (Tom Jobim e Newton Mendonça). Contando com o suíngue de Faria e do baixista Guto Wirtti, Einhorn também homenageou o gaitista Toots Thielemans, seu ídolo, ao tocar a conhecida valsa-jazz “Bluesette”, de autoria do músico belga. 


A noite de domingo começou com o saboroso show do quinteto gaúcho Instrumental Picumã, formado por Paulinho Goulart (acordeon), Texo Cabral (flauta), Matheus Alves (violão), Miguel Tejera (baixo) e Bruno Coelho (percussão). Composições próprias como “Vanerão Chorado”, “Chacareta” e “Milonguera” já revelam nos próprios títulos o projeto do grupo: fundir ritmos regionais com as linguagens do jazz e da música instrumental brasileira.

Os improvisos do jazz e a diversidade rítmica da música instrumental brasileira também conviveram na noite de sábado (10/11). À frente de um quinteto de formação incomum, com Guilherme Ribeiro (acordeom), Daniel D’Alcântara (trompete e flugelhorn), Bruno Migotto (baixo elétrico) e Fernando Corrêa (guitarra), o baterista e compositor Edu Ribeiro (na foto ao lado), catarinense radicado em São Paulo, deliciou a plateia com o repertório de seu álbum “Na Calada do Dia” (de 2017). Calcadas em ritmos e gêneros musicais brasileiros, como o choro, o maracatu, o frevo e o baião, suas composições exploram sonoridades não usuais, como a opção de dobrar as melodias com o acordeom e o trompete. O prazer de tocar que esse quinteto demonstra no palco é contagiante. 

Antes se apresentou o afiado quinteto do trompetista argentino Mariano Loiácono (na foto ao lado), com Sebastian Loiácono (sax tenor), Ernesto Jodos (piano), Jerônimo Carmona (baixo acústico) e Eloy Michelini (bateria). Vestidos à caráter, como se estivessem tocando em um clube de jazz no final dos anos 1950, os irmãos Loiácono recriam com perfeição a estética sonora do hard bop. Entre os highlights do show desse quinteto, duas sensíveis baladas: “Soul Eyes” (de Mal Waldron) e “You Don’t Know What Love Is” (Gene de Paul e Don Raye). Destaque também para as criativas intervenções de Jodos, ao piano.

A programação do sábado foi aberta pelo quarteto do jovem pianista paulista Vitor Arantes. Ao vencer o Concurso Novos Talentos do Jazz, que é organizado pelos festivais POA Jazz, Sampa Jazz (SP) e Savassi Festival (MG), ele ganhou a oportunidade de se apresentar nesses eventos. Ao lado de Matheus Mota (guitarra), Jackson Lourenço (baixo acústico) e Jonatan Goes (bateria), Vitor exibiu temas autorais, com assumidas influências de expoentes do world jazz atual (como Avishai Cohen ou Shai Maestro), mas também demonstrou personalidade em releituras de “My Favorite Things” (Rodgers e Hammerstein) e “Bebê” (Hermeto Pascoal).

Tomara que as já prenunciadas dificuldades para o setor cultural, no próximo ano, não venham a comprometer a trajetória ascendente do POA Jazz Festival. A cena musical brasileira precisa de eventos com esse padrão de qualidade. 

(Cobertura realizada a convite da produção do festival)

4.º POA Jazz Festival: sax catártico de Rudresh Mahanthappa brilha na primeira noite

|

                                                                             O saxofonista Rudresh Mahanthappa

Não é comum se ver, em um festival de jazz, um grupo musical ser recebido aos gritos por uma plateia que, com poucas exceções, mal o conhecia. Foi assim que começou a espetacular apresentação do trio Indo-Pak Coalition, que encerrou a primeira noite do POA Jazz Festival, ontem, no Centro de Eventos BarraShoppingSul, em Porto Alegre (RS).

Liderado pelo energético saxofonista Rudresh Mahanthappa, musico de origem indiana radicado nos Estados Unidos, o trio destaca outros instrumentistas de alto calibre sonoro: o guitarrista paquistanês Rez Abbasi e o baterista norte-americano Dan Weiss, que também brilha ao percutir sua tabla.

O trio excitou e hipnotizou a plateia com composições de Mahanthappa, como a encantatória “Snap” e a meditativa “Showcase”, entre outras. Em alguns momentos, em meio a solos frenéticos que pareciam leva-lo ao transe, as pupilas do saxofonista quase desapareciam, evidenciando o caráter catártico dessa música.

Bastante aplaudido também foi o trio vocal argentino Bourbon Sweethearts. Mel Muñiz (violão e ukelele), Cecilia Bosso (baixo acústico) e Agustina Ferro (trombone) conquistaram a plateia tocando e cantando composições próprias, além de alguns clássicos da canção norte-americana, como “I Cried for You” (Billie Holiday) e “Swing It, Sister” (Mills Brothers), em arranjos que remetem ao estilo de grupos vocais dos anos 1930 e 1940.

O eclético programa da primeira noite do POA Jazz Festival começou com a apresentação do jovem quarteto local Marmota Jazz, formado por André Mendonça (baixo acústico), Pedro Moser (guitarra), Leonardo Bittencourt (piano) e Bruno Braga (bateria). Além de composições próprias, inspiradas em obras de jazzistas contemporâneos (como Aaron Parks ou Shai Maestro), o quarteto também tocou standards como “The Man I Love” (George & Ira Gershwin) e “My Funny Valentine” (Rodgers & Hart), com destaque para a participação de Pedro Veríssimo, nos vocais.

Nos intervalos entre um show e outro, a POA Jazz Band (com formação semelhante às bandas de rua norte-americanas do início do século 20), mantém a animação da plateia, lembrando dançantes clássicos do jazz tradicional. Difícil imaginar uma noite mais variada e bem-sucedida para a abertura do 4.o POA Jazz Festival.


(Cobertura realizada a convite da produção do festival)


4.º POA Jazz: festival gaúcho traz uma prévia de suas atrações musicais a São Paulo

|

                                                       O trio argentino Bourbon Sweethearts / Foto de divulgação 

Os paulistas poderão ouvir antes dos gaúchos duas atrações internacionais do próximo POA Jazz Festival. Um dos melhores do gênero no país, esse evento vai oferecer nove shows em sua quarta edição (de 9 a 11 de novembro, no Centro de Eventos do BarraShoppingSul, em Porto Alegre), além de masterclasses, oficinas musicais e lançamento de livros.

A primeira edição do POA Jazz em São Paulo (no dia 7/11, às 21h, no Bourbon Street Music Club) destaca a apresentação de Rudresh Mahanthappa (na foto abaixo), brilhante saxofonista e compositor de origem indiana radicado nos Estados Unidos, além do jovem trio argentino Bourbon Sweethearts, formado por instrumentistas e vocalistas.

Quem teve a oportunidade de ouvir Mahanthappa ainda como integrante do quarteto do pianista Vijay Iyer – em 2008, no extinto festival Bridgestone Music, em São Paulo – certamente ficou impressionado por seu estilo contemporâneo, calcado em improvisos viscerais. Os críticos da revista norte-americana “Down Beat” o elegeram melhor sax alto do ano, nos períodos 2009-2013 e 2015-2018. 

 
Já as garotas do trio Bourbon Sweethearts fazem música de época. Com uma formação instrumental incomum, Mel Muñiz (violão tenor e ukelele), Agustina Ferro (trombone) e Cecilia Bosso (baixo acústico) recriam o jazz tradicional e o swing das primeiras décadas do século 20, em arranjos inspirados em clássicos conjuntos vocais como as Andrew Sisters e os Mills Brothers.

Entre as outras sete atrações que vão se apresentar em Porto Alegre destacam-se também o quinteto do trompetista argentino Mariano Loiácono e conceituados instrumentistas brasileiros, como o pianista e compositor Gilson Peranzzetta, o baterista Edu Ribeiro e o trio formado pelo gaitista Maurício Einhorn com o violonista Nelson Faria e o baixista Guto Wirtti.

O elenco musical do 4º POA Jazz inclui dois destaques da cena musical gaúcha: o quarteto Marmota Jazz e o quinteto Instrumental Picumã. E ainda o quarteto do pianista paulista Vitor Arantes, vencedor do concurso Novos Talentos do Jazz 2017, cujos integrantes tocam também na Orquestra Jovem Tom Jobim.

Neste ano, o festival homenageia o jornalista e escritor Zuza Homem de Melo, que vai autografar seus livros. Já os músicos Edu Ribeiro, Nelson Faria e Gilson Peranzzetta vão ministrar masterclasses de bateria, improvisação e arranjos, respectivamente.

A curadoria do festival é assinada pelo músico e produtor Carlos Badia, com assessoria do produtor Carlos Branco e do músico Rafael Rhoden. Mais informações no site do evento: www.poajazz.com.br/





 

Mark Lambert: guitarrista e cantor leva ao Bourbon Street jazz e blues para dançar

|

                                                       Mark Lambert, em show no clube paulistano Bourbon Street

Radicado no Brasil desde 2004, o guitarrista e cantor Mark Lambert fez uma contagiante apresentação, ontem, no clube Bourbon Street, em São Paulo. À frente do Quinteto Radio Swing, o músico norte-americano exibiu um repertório bem dançante, recheado de clássicos do rhythm & blues, da black music, até da MPB.

Especialmente saborosa é a primeira parte do show, dedicada ao jump swing. Essa vertente musical, também conhecida como neo-swing ou retro-swing, resgatou no final dos anos 1990 o hábito de se dançar jazz, misturando o swing das big bands com o saltitante jump blues e pitadas de rock & roll.

Para animar a plateia do clube paulistano lá estavam alguns dançarinos do grupo Swing Out Studio, que logo transformaram o show em baile, impulsionados por clássicos dos salões de dança, como “Shiny Stockings” (do repertório da Count Basie Orchestra), “Caldonia” (Louis Jordan), “Jump, Jive an’ Wail” (Louis Prima) ou “Hallelujah, I Love Her So” (Ray Charles).

Cantor versátil, Lambert conduz o show-baile por outras vertentes musicais: a romântica soul music de Al Green (“Let’s Stay Together”); uma versão bossa nova da canção “Nature Boy” (de Eden Ahbez) emendada ao afro samba “Canto de Ossanha” (Baden Powell e Vinicius de Moraes); ou ainda um medley da irresistível “Do I Do” (Stevie Wonder) com o funk “Vamos Dançar (Ed Motta).

Bem acompanhado por seu quinteto, que inclui Sidmar Vieira (trompete), Jefferson Rodrigues (sax tenor), Daniel Grajew (teclado), Marinho Andreotti (baixo) e Lael Medina (bateria), Lambert também exibe seu talento de instrumentista, nos solos de guitarra.

Um programa leve e divertido, bem apropriado para se esquecer por algumas horas que este país caminha cegamente para um precipício.

Baterias Brasileiras: projeto do Sesc reune Duda Neves e Igor Willcox, craques das baquetas

|

                                                                                                             O baterista Duda Neves

Grande parte da plateia estava ali, provavelmente, para ouvir o veterano Duda Neves, um dos maiores bateristas brasileiros, e ainda poder conhecer o jovem Igor Willcox, promissora revelação do jazz produzido em nosso país. O que ninguém esperava, nesse show do projeto Baterias Brasileiras (ontem, no Sesc Belenzinho, em São Paulo), é que esse encontro de diferentes gerações musicais seria tão emocionante.

Primeira atração da noite, Igor logo conquistou a plateia com duas saborosas composições próprias: “Brotherhood” e “The Scare”, faixas de seus álbuns “#1” (2017) e “Live!” (2018). Ao anuncia-las, visivelmente emocionado, o baterista falou sobre a sensação de dividir o palco com Duda, cujas pioneiras videoaulas foram essenciais para sua formação musical, na década de 1990. Carinhoso, o mestre até entrou no palco para abraçar o discípulo.

À frente de seu afiado quarteto, que destaca também os talentos do baixista Glécio Nascimento, do saxofonista Wagner Barbosa e do tecladista Vini Morales, Igor (na foto abaixo) fechou sua contagiante apresentação com o funkeado “Julie’s Blues” e “Lifetime”, homenagem ao baterista norte-americano Tony Williams (1945-1997), que o influenciou. O Igor Willcox Quartet certamente conquistou novos fãs nessa noite. 


Para quem, como eu, acompanha desde o final dos anos 1970 a cena da música instrumental e do jazz em São Paulo, ouvir Duda mais uma vez – ao lado dos craques Michel Freidenson (teclado) e Sylvinho Mazzucca Jr. (baixo), parceiros com os quais toca há quatro décadas – trouxe boas recordações. Naquela época era comum se ouvir esses músicos no bar Saint Germain (depois rebatizado de Sanja), no teatro Lira Paulistana ou na sala Guiomar Novaes da Funarte.

Duda também abriu seu show com duas composições próprias: as jazzísticas “Rito” e “Lucila”, faixas do hoje raríssimo álbum “Urucum” (1990). Como outros grandes bateristas, ele não se limita à marcação dos ritmos: fraseia e improvisa o tempo todo, esbanjando criatividade e estimulando os parceiros.

O tecladista Michel Freidenson também exibiu duas composições de sua autoria: a singela “Nasci para Você”, quase uma canção, e a jazzística “Je Suis Desolé”. Ao final do show, os dois bateristas e seus grupos ainda se juntaram para uma versão descontraída de “Cantaloupe Island” (Herbie Hancock). Que noite!

O projeto Baterias Brasileiras prossegue até dia 8 de dezembro, com outros shows de conceituados bateristas, como Carlos Bala, Fernando Amaro, Pupilo e Curumin, além de workshops e debates. Informações e compra de ingressos no site do Sesc SP







Kastrup: utopia poética inspira 'Ponto de Mutação', ambicioso álbum do percussionista

|


O momento não poderia ser mais apropriado. Às vésperas da tragédia que vem sendo anunciada pelas pesquisas eleitorais, o percussionista, produtor e compositor Guilherme Kastrup lançou ontem, com show no Sesc Pompeia, em São Paulo, o ambicioso álbum “Ponto de Mutação”.

Para veicular essa obra musical de essência filosófica e experimental, Kastrup evitou o tradicional formato do CD. Ao abrir a caixinha plástica que embala o suposto disco, você encontra um encarte com um texto sobre o projeto, a ficha técnica das gravações e um QR code que dá acesso a um hotsite na internet. Nele, uma espécie de mapa orienta a audição das nove faixas do álbum, incluindo informações sobre os músicos que participaram das gravações.

Kastrup antecipou o lançamento de seu álbum com o single-clipe “Reaction” (veja abaixo), no qual faz uma reflexão sobre a decadência política e econômica da humanidade e as crescentes reações de movimentos sociais pelo mundo. Samples das vozes dos pensadores norte-americanos Noam Chomsky e Malcolm X misturam-se a um explosivo e violento painel de cenas de manifestações públicas e repressão policial, incluindo o Brasil.

Segundo o compositor e percussionista (na foto abaixo), conceitualmente, sua obra “parte do caos de nossos dias para uma virada da nova era. O início é a constatação do colapso do ideal capitalista”. Inspirado pelo livro homônimo do físico e ambientalista austríaco Fritjof Capra, Kastrup desenvolve nas composições de “Ponto de Mutação” a ideia de que nossa civilização deixará de ser comandada por paradigmas masculinos, como a competição e o individualismo, para ser regida pela égide feminina, que valoriza a solidariedade, a sensibilidade e o afeto. 


O projeto começou a ser realizado em 2016, quando Kastrup convidou diversos parceiros, como o guitarrista Kiko Dinucci, o saxofonista Marcelo Monteiro ou o acordeonista Ricardo Prado, para sessões de improvisação livre. Utilizando o recurso da colagem, ele usou esse material sonoro como base para as composições do álbum, cujas gravações contaram, numa segunda fase, com outras contribuições improvisadas, tanto de vocalistas (Alessandra Leão, Ná Ozzetti, Elza Soares, Lenna Bahule, Arícia Mess), como de instrumentistas (o violonista Swami Jr., o clarinetista Alexandre Ribeiro e o flautista Henrique Albino).

Como seria quase impossível contar com os 25 músicos que participaram do álbum, Kastrup reuniu um elenco mais compacto para o show de lançamento: Ricardo Prado (acordeon e teclados), Rafa Barreto (sampler e guitarra), Marcelo Monteiro e Henrique Albino (sopros), além de Alessandra Leão e Ná Ozzetti (vocais). Sem falar nas projeções e na iluminação de Anna Turra, que contribuíram para levar ao palco um pouco da atmosfera do álbum.

“Me deixei conduzir pela inspiração desta bela ideia poético-filosófica para construir o roteiro sonoro-imagético que resultou nesta obra. Este meu ‘Ponto de Mutação’ é um Oxalá musical para que essa profecia se realize”, diz Kastrup, no texto de apresentação do álbum. Tomara mesmo. Mais do que nunca, no Brasil de hoje, precisamos de uma utopia para encarar os próximos anos.






AsuJazz: festival do Paraguai entra no circuito mundial valorizando sotaques regionais

|

                           O harpista paraguaio Juanjo Corbalán e o saxofonista espanhol José Luís Gutiérrez

Já era madrugada de domingo (7/10), quando Ivan Lins e seu grupo deixaram o palco instalado na Praça da Liberdade, na cidade de Assunção. O comemorado show do compositor e cantor brasileiro encerrou a terceira edição do AsuJazz, festival que ofereceu uma extensa programação musical, totalmente gratuita, em diversos palcos da capital paraguaia durante uma semana. 

Ivan já entrou em cena cantando uma seleção de sucessos de sua carreira: “Daquilo que Eu Sei”, “Meu País” e “Somos Todos Iguais Neste Noite” (parcerias com Vitor Martins). Bastava olhar os rostos iluminados na multidão presente na praça, para se constatar a admiração que os paraguaios têm por ele e pela música popular brasileira – até então só presente de maneira ocasional nos repertórios de alguns shows do festival.

Foi uma noite eclética, que também destacou o trio do saxofonista italiano Enzo Favata e seu jazz cheio de melancolia, com influência da música folclórica da região da Sardenha. Ou ainda o quarteto alemão de sopros Talking Horns, com um repertório bem diversificado, que vai do jazz tradicional à música circense, passando até pela música sacra. 


A noite de sábado (6/10) também contou com uma revelação: a radiante baterista cubana Yissy Garcia (na foto ao lado) e seu quinteto Bandancha. Filha de Bernardo Garcia (percussionista do lendário grupo Irakere), Yissi toca sorrindo. Uma das referências mais evidentes de seu jazz de fusão é o baixista norte-americano Marcus Miller, que ela homenageia na composição “Mr. Miller” (com um belo vídeo no YouTube). Também tocou uma releitura de “Tutu” (tema de Miller, da época que foi parceiro de Miles Davis), recheada de scratches pelo DJ Jigüe.

Na noite anterior, no mesmo palco, a atração mais esperada era a banda comandada por dois veteranos expoentes do jazz fusion: o guitarrista Mike Stern e o baterista Dave Weckl. Recebidos como popstars, com fãs gritando seus nomes, os dois abriram o show com uma frenética versão de “Nothing Personal” (de Michael Brecker). Para alguém que sofreu um grave acidente dois anos atrás, a garra 
e a velocidade dos solos de Stern (na foto abaixo) impressionam. 

Surpresas não faltaram também na apresentação do saxofonista espanhol José Luís Gutiérrez, que hipnotizou a plateia com seus improvisos, acompanhado pela bateria de seu conterrâneo Lar Legido e pela harpa do paraguaio Juanjo Corbalán. Não bastassem as expressivas melodias de ascendência ibérica que toca com o sax alto ou o soprano, Gutierrez também encantou os ouvintes com o “panderidoo”, insólito instrumento que inventou. Trata-se de um grande pandeiro envolvido por um tubo, que ao ser soprado produz um som bastante grave e estranho.

Original também é a música instrumental do violonista e compositor chileno Antonio Monasterio. O título de seu recente álbum “Centro y Periferia” parece aludir ao dilema dos jazzistas que vivem fora do suposto eixo de circulação desse gênero musical. O timbre do oud (instrumento de cordas de origem árabe, que lembra um alaúde) acrescenta um tempero especial à sonoridade do grupo de Monasterio.

No Brasil, já vimos artistas nacionais serem tratados como atrações secundárias em vários festivais, inclusive de outros gêneros musicais. No AsuJazz, ao contrário, há uma assumida intenção de apoiar os instrumentistas e grupos de jazz paraguaios, especialmente aqueles que têm consciência de que sua música terá mais identidade se contar com ritmos, sonoridades e sotaques locais.

Esse é o caso, por exemplo, do talentoso pianista Oscar Aldama, que hoje vive no Brasil depois se formar no Conservatório de Tatuí (no interior de São Paulo). Em sua apresentação, no sábado, exibiu composições próprias calcadas em ritmos latino-americanos, como o chamamé e a polca paraguaia, o festejo peruano ou mesmo o samba-jazz brasileiro. 

Outros músicos locais que também tiveram lugares de destaque no festival para exibir suas incursões jazzísticas calcadas em ritmos regionais foram o guitarrista Gustavo Viera, o violonista José Villamayor, o baterista Toti Morel e o já citado harpista Juanjo Corbalán, que também se apresentou com seu grupo.

Já a banda Néstor Ló y los Caminantes, que fez o show mais bem-humorado do festival, aproxima o folclore local da linguagem da música pop, com direito a um naipe de sopros. “Nós respeitamos as raízes da música paraguaia, mas também podemos sair dela”, justificou-se o líder e cantor Néstor López, pouco antes de concluir o show da banda com um dançante funk.

Para aqueles que gostam de dar uma esticada depois dos shows do festival, o ponto de encontro de músicos e fãs de jazz é o Drácena, no centro de Assunção. Comandado pelo baterista Seba Ramirez (que também tocou no festival), esse misto de bar e espaço cultural costuma realizar jam sessions e concertos.

Muito bem organizado, o AsuJazz demonstrou em sua terceira edição que já está pronto para ingressar no circuito internacional de eventos desse gênero. Diferentemente de festivais que apenas oferecem à plateia um cardápio de atrações musicais e algumas atividades paralelas, o AsuJazz é um festival com uma missão mais ambiciosa: exibir a música instrumental e o jazz produzidos hoje no Paraguai aos ouvidos do mundo.

(Cobertura realizada a convite da produção do festival AsuJazz)

 

©2009 Música de Alma Negra | Template Blue by TNB