Mauro Senise: saxofonista ensaia parceria com a coreógrafa Deborah Colker

|

O vigésimo projeto autoral do saxofonista e flautista carioca Mauro Senise é, talvez, o mais ambicioso de sua carreira. Além de contar com composições e arranjos de músicos com os quais já se associou em outras épocas, como os pianistas Antonio Adolfo, Jota Moraes e Gilson Peranzzetta (seu parceiro mais constante), agora Senise ensaia também uma parceria de outro gênero: com a dança.

No DVD que acompanha o CD "Danças" (lançamento Biscoito Fino), três composições – a valsa “Garoto de POA” (de Jota Moraes), o sentimental “Choro dos Mestres” (Cristóvão Bastos) e a contemplativa “Harmonia das Esferas” (do pianista Gabriel Geszti) – foram coreografadas por Deborah Colker, que as dança em duo com o ator Chico Diaz. Evanescentes, as belas imagens em preto e branco têm a assinatura do cineasta Walter Carvalho. Uma experiência criativa que merece ser retomada.


(Resenha publicada no "Guia Folha - Livros, Discos, Filmes", edição de 25/10/2015)




Keith Jarrett e Charlie Haden: belezas e melancolia num encontro de despedida

|

                                                         O contrabaixista Charlie Haden e o pianista Keith Jarrett

A morte do contrabaixista norte-americano Charlie Haden, aos 76 anos, em julho deste ano, imprimiu um sentido melancólico ao título do álbum "Last Dance" (selo ECM, com distribuição no Brasil pela Borandá), lançado algumas semanas antes no mercado internacional. Será que Haden e o pianista Keith Jarrett, seu antigo parceiro, pressentiram no estúdio que se tratava de um derradeiro encontro de despedida?  
 
As nove faixas que compõem esse disco foram registradas, de fato, em 2007. Das mesmas sessões de gravação já havia sido extraído o álbum “Jasmine” (lançado em 2010), que marcara o reencontro desses inventivos jazzistas, depois de tocarem juntos durante os anos 1970, no quarteto e no quinteto liderados por Jarrett. 

 
Como em “Jasmine”, há algo de nostálgico na escolha do repertório, que reúne “standards” e clássicos do jazz. Temas evocativos, como “My Old Flame” (de Johnston e Coslow) ou “My Ship” (Kurt Weill e Ira Gershwin), permitem aos velhos amigos entabular um "bate-papo" musical sobre o passado comum.  

 
“Round Midnight”, obra-prima do pianista Thelonious Monk, começa com um improviso de Jarrett, como se a "conversa" fosse flagrada já em curso. Mas, para a satisfação do ouvinte, o pianista se curva à beleza da melodia original e encerra a gravação de maneira reverente.  

 
Composição de Gordon Jenkins que já fazia parte do disco anterior da dupla, a tristonha “Goodbye” encerra o álbum, em uma gravação alternativa, logo após a serena releitura de “Every Time We Say Goodbye” (de Cole Porter).  

 
“Quero afastar as pessoas da feiura e da tristeza que nos cerca diariamente e trazer música profunda e bela para o maior número possível de pessoas”, declarou Haden, em 2013, ao receber um prêmio Grammy, já afastado dos palcos e estúdios, vítima de poliomielite. Este seu testamento musical não poderia ser mais fiel à sua vontade. 


(Resenha publicada no "Guia Folha - Livros, Discos, Filmes", em 25/10/2014) 

Eliete Negreiros: "Outros Sons", clássico da vanguarda paulista, sai enfim em CD

|

                 Otávio Fialho (de pé à esquerda, em sentido horário), Mário Manga, Eliete, Bozo Barretti, Azael Rodrigues e Arrigo

 Se você já se acostumou à indigência musical veiculada diariamente por emissoras de TV, rádios e portais da internet, cuidado! Como uma nave sonora que atravessou o tempo, este disco pode surpreender ouvintes desavisados. Com direção musical e produção de Arrigo Barnabé, a cantora Eliete Negreiros combina, neste cultuado disco, composições de Arrigo e outros autores de sua geração com clássicos da canção brasileira e norte-americana, além de vinhetas repletas de dissonâncias, ruídos, referências literárias e influências da música de vanguarda. Nada a ver, portanto, com esses bailões apelativos e baticuns vulgares que hoje maltratam nossos ouvidos por aí.

Para quem teve a sorte de descobrir e apreciar este disco na época de sua primeira edição, mais exatamente em 1982, é difícil acreditar que ele só tenha reaparecido agora, após um hiato de três décadas, em formato CD. Lançado ainda na era da hegemonia do vinil, sem apoio de uma grande gravadora, nem patrocínios, o álbum “Outros Sons” não chegou às paradas de sucessos, mas foi festejado pelos principais jornais e revistas do país como um marco da evolução da linguagem da música brasileira.

Mais até do que os elogios que recebeu, o fato de ter sido comparado a “Tropicália ou Panis et Circensis” (1968) – o álbum-manifesto do inovador movimento tropicalista, que reuniu Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Gal Costa, Rogério Duprat, Mutantes e Nara Leão, entre outros – indica o impacto que este disco provocou nos meios culturais. O próprio Caetano chegou a se referir a ele como “um trabalho lindo”, na época do lançamento, em uma entrevista ao paulistano “Jornal da Tarde”.

A comparação ao manifesto tropicalista se justifica: “Outros Sons” também sintetiza a produção de uma emergente e criativa geração musical, que ficou conhecida como Vanguarda Paulista. Além de Arrigo e Eliete, essa geração inclui os compositores Itamar Assumpção e Luiz Tatit, as cantoras Ná Ozzetti, Vânia Bastos e Suzana Salles, assim como os grupos Rumo, Premeditando o Breque e Língua de Trapo, entre outros.  


“Com Arrigo, aprendi a pensar a música. No começo, isso me parecia uma heresia: como assim, pensar? Música é para sentir! Mas depois fui descobrindo como a música era feita e, com isso, um novo modo de perceber, mais abstrato, mais sutil, foi nascendo em mim”, comenta Eliete, intérprete elegante e de voz suave, que já cantava, tocava violão e estudava Filosofia, ao conhecer esse compositor paranaense radicado em São Paulo, na década de 1970.

Por influência de seu pai, Eliete acostumou-se a ouvir clássicos da música popular brasileira – de Noel Rosa a Assis Valente, interpretados por grandes cantoras da era do rádio, como Aracy de Almeida e Marlene. Também acompanhou a ebulição dos festivais de MPB, assim como a ruptura estética introduzida pela Tropicália, na segunda metade dos anos 1960. Mais tarde, graças à convivência com Arrigo, viu despertar seu interesse pela música erudita de vanguarda.

“Foram se abrindo novas portas da percepção: Stravinsky, Schoenberg, Stockhausen”, relembra a cantora paulistana, hoje doutora em Filosofia e autora do saboroso livro “Ensaiando a Canção: Paulinho da Viola e Outros Escritos” (2011). “E foi misturando minha formação popular com esta nova visão musical que fui tecendo meu trabalho, aliando elementos tradicionais a elementos da vanguarda, ouvindo com ouvidos mais livres, como aprendi na cartilha sem receita de Oswald de Andrade”.

Entre tantas sacadas musicais e poéticas, é difícil destacar apenas uma ou outra faixa de “Outros Sons”. O ouvinte é seduzido e surpreendido de diversas maneiras – desde a futurista releitura de “Pipoca Moderna” (tema instrumental da Banda de Pífanos de Caruaru letrado por Caetano Veloso) até a vinheta “Tudo Mudou” (criada por Arrigo justamente sobre o último verso da letra de “Pipoca Moderna”), que fecha o álbum com o som do estouro de um saco de pipocas e o riso de Eliete.


Neste álbum-síntese da chamada Vanguarda Paulista não falta também um manifesto: a composição de Arrigo, com letra de Carlos Rennó, que deu título ao disco. Espécie de ritual sonoro, que combina o primitivismo de tambores com a modernidade da música atonal, “Outros Sons” alude à “Sagração da Primavera”, polêmica obra de Stravinsky que propagou a estética modernista, no início do século XX. Já a letra de Rennó foi inspirada pela linguagem experimental do escritor James Joyce, no romance “Finnegans Wake”.

Preste atenção nas fichas técnicas das 15 faixas. Ali aparecem os nomes de músicos de São Paulo, todos bem jovens na época, que depois se destacaram em vários segmentos da música brasileira: o cantor e violeiro Passoca, autor da bela “Sonora Garoa”; o baterista e compositor Paulo Barnabé (líder da Patife Band); o baixista Rodolfo Stroeter, o saxofonista Teco Cardoso, o pianista Lelo Nazário e o baterista Azael Rodrigues (integrantes de diversas formações do grupo Pau Brasil); o guitarrista Mario “Biafra” Manga (do grupo Premeditando o Breque); o trombonista Bocato e os trompetistas Nonô e Farias (da Banda Metalurgia); o guitarrista Tonho Penhasco, o baixista Otávio Fialho e os saxofonistas Mané Silveira e Chico Guedes (da Banda Sabor de Veneno, criada por Arrigo), além do quarteto de sopros Papavento, entre outros.

Sem poder contar com a mesma coragem e a ambição artística de compositores e intérpretes do quilate de Arrigo e Eliete, nas últimas décadas a cena da música brasileira tem se mostrado mais convencional e pragmática. Grande parte da produção atual limita-se a repetir fórmulas já aprovadas pelo mercado, sem qualquer compromisso com a invenção. Tomara que esta nova edição deste álbum estimule não só os novos ouvintes, mas também os músicos mais jovens a experimentar e criar outros sons, a correr mais riscos.


(Texto escrito para o encarte do CD "Outros Sons", da cantora Eliete Negreiros, relançado nesta semana pelo selo Kuarup)




Tony Bennett & Lady Gaga: um encontro artificial, com 'selfies', caras e bocas

|

                                                                Tony Bennett, quem diria, babando por Lady Gaga


Depois que as performances bizarras de Lady Gaga deixaram de causar impacto, a cantora pop ítalo-americana segue fazendo o que pode para chamar atenção. A nova tentativa está em “Cheek to Cheek” (lançamento Columbia/Universal), álbum jazzístico que ela gravou em duo com ninguém menos que o veterano Tony Bennett.

Basta ouvir a primeira faixa -- “Anything Goes”, de Cole Porter, em arranjo orquestral –- para se perceber que o grau de empatia musical da dupla se aproxima de zero. A obviedade dos arranjos e do repertório, com conhecidas canções de musicais assinadas por Irving Berlin, Rodgers & Hart e os irmãos Gershwin, entre outras, só perde para as interpretações de Gaga.

Artificial e afetada, ela parece uma corista em teste para papel de protagonista, na medíocre versão de “Lush Life” (Billy Strayhorn). Aliás, todas as versões do álbum não acrescentam nada às gravações de Ella Fitzgerald, Billie Holiday, Johnny Hartman ou outros grandes cantores de jazz para essas mesmas canções. Um artista do quilate de Tony Bennett –- única razão para se ouvir esse disco –- não precisava passar por isso.

(resenha publicada no "Guia Folha - Livros, Discos, Filmes", edição de 25.10.2014)




 

©2009 Música de Alma Negra | Template Blue by TNB