4.º POA Jazz Festival: sax catártico de Rudresh Mahanthappa brilha na primeira noite

|

                                                                             O saxofonista Rudresh Mahanthappa

Não é comum se ver, em um festival de jazz, um grupo musical ser recebido aos gritos por uma plateia que, com poucas exceções, mal o conhecia. Foi assim que começou a espetacular apresentação do trio Indo-Pak Coalition, que encerrou a primeira noite do POA Jazz Festival, ontem, no Centro de Eventos BarraShoppingSul, em Porto Alegre (RS).

Liderado pelo energético saxofonista Rudresh Mahanthappa, musico de origem indiana radicado nos Estados Unidos, o trio destaca outros instrumentistas de alto calibre sonoro: o guitarrista paquistanês Rez Abbasi e o baterista norte-americano Dan Weiss, que também brilha ao percutir sua tabla.

O trio excitou e hipnotizou a plateia com composições de Mahanthappa, como a encantatória “Snap” e a meditativa “Showcase”, entre outras. Em alguns momentos, em meio a solos frenéticos que pareciam leva-lo ao transe, as pupilas do saxofonista quase desapareciam, evidenciando o caráter catártico dessa música.

Bastante aplaudido também foi o trio vocal argentino Bourbon Sweethearts. Mel Muñiz (violão e ukelele), Cecilia Bosso (baixo acústico) e Agustina Ferro (trombone) conquistaram a plateia tocando e cantando composições próprias, além de alguns clássicos da canção norte-americana, como “I Cried for You” (Billie Holiday) e “Swing It, Sister” (Mills Brothers), em arranjos que remetem ao estilo de grupos vocais dos anos 1930 e 1940.

O eclético programa da primeira noite do POA Jazz Festival começou com a apresentação do jovem quarteto local Marmota Jazz, formado por André Mendonça (baixo acústico), Pedro Moser (guitarra), Leonardo Bittencourt (piano) e Bruno Braga (bateria). Além de composições próprias, inspiradas em obras de jazzistas contemporâneos (como Aaron Parks ou Shai Maestro), o quarteto também tocou standards como “The Man I Love” (George & Ira Gershwin) e “My Funny Valentine” (Rodgers & Hart), com destaque para a participação de Pedro Veríssimo, nos vocais.

Nos intervalos entre um show e outro, a POA Jazz Band (com formação semelhante às bandas de rua norte-americanas do início do século 20), mantém a animação da plateia, lembrando dançantes clássicos do jazz tradicional. Difícil imaginar uma noite mais variada e bem-sucedida para a abertura do 4.o POA Jazz Festival.


(Cobertura realizada a convite da produção do festival)


1 Comentário:

Juarez Fonseca disse...

Na mosca, como sempre, caro Calado. Bela análise da noite de abertura do POA Jazz Festival.

 

©2009 Música de Alma Negra | Template Blue by TNB