Ray Charles: compilação 'The King of Cool' reúne o melhor do cantor de soul e blues

|

Na década de 1950, quando Ray Charles (1930-2004) começou a ser chamado de “gênio do soul”, o termo “genial” fazia sentido – até ser banalizado pelo uso excessivo e inadequado. O cantor e pianista norte-americano merece mesmo essa alcunha, pois inventou um novo gênero musical, praticamente, ao fundir o fervor religioso da música gospel com a sensualidade profana do rhythm & blues.

Quem viu o biográfico filme “Ray” (2004) deve se lembrar da cena em que ele canta “Hallelujah, I Love Her So”, num clube cheio de fãs. Um pastor enfurecido interrompe o show e acusa o cantor de ter se vendido ao demônio, ao transformar um hino gospel em “sexo”. Radicalismos à parte, o religioso tinha uma certa razão: para criar a soul music, Ray utilizou melodias que aprendera na igreja, revestindo-as com harmonias e ritmos mais modernos e sensuais.

Lançada no ano passado, por ocasião dos 10 anos da morte do soulman, a compilação “King of Cool - The Genius of Ray Charles” (distribuída no Brasil pela gravadora Warner) reúne 73 gravações do cantor, em três CDs, que incluem grande parte de seus sucessos. É uma coleção quase perfeita para aqueles que apreciam a música desse artista, mas têm poucos discos dele em sua discoteca.

As gravações cobrem a fase mais criativa da carreira de Ray Charles: os anos em que ele gravou pela Atlantic Records (1952-1959), que destacam clássicos do rhythm & blues e do soul, como “Mess Around”, “I’ve Got a Woman”, "Hit the Road Jack" e “Drown in My Tears”.

Há também faixas dos primeiros anos de Ray na gravadora ABC – representados pelos hits “Georgia on My Mind” (1960), “Unchain My Heart” (1961) e duas versões de “What’d I Say” (1959 e 1960). Aliás, se você ainda não tinha notado que Ray e suas vocalistas, as Raelettes, simulam um ato sexual nessa canção, precisa ouvi-la de novo. À essa altura, Ray já havia se tornado um fervoroso pregador da soul music.

(Resenha publicada no "Guia Folha - Livros, Discos, Filmes", em 28/2/2015)



0 comentários:

 

©2009 Música de Alma Negra | Template Blue by TNB